Banda larga móvel: Faltam parâmetros para definir qualidade de serviço - Asplan Sistemas

Banda larga móvel: Faltam parâmetros para definir qualidade de serviço

A
internet móvel não deve ser caracterizada como bandeira de inclusão de
banda larga no Brasil, sustenta integrantes do Comitê Gestor da
Internet. Há também uma preocupação com a qualidade do serviço que está
sendo prestado ao consumidor brasileiro. O acesso à Internet via celular
e via banda larga móvel, por modem, foi um dos temas do debate O
futuro da internet no Brasil, realizado pelo Comitê Gestor da Internet,
na capital paulista, nesta quarta-feira, 30/08.

Demi Getscho, do NIC.Br, mostrou preocupação com os rumos da banda
larga móvel no país. “Banda larga móvel é um bicho muito diferente da
banda larga fixa. E aqui estamos tentando juntar tudo num único saco. E
isso é prejudicial para todas as partes envolvidas”, advertiu. Segundo
ele, é preciso parâmetros distintos para as modalidades. “Banda larga
móvel envolve mobilidade. Me preocupa o discurso que internet no celular
é meio de inclusão para banda larga. São ações distintas”, ponderou.

Questões como qualidade e custo do serviço também foram postos à
mesa. “O serviço é o mais caro do mundo e está ruim”, afirmou Carlos
Afonso, do Comitê Gestor da Internet.

Rogério Santanna, ex-presidente da Telebras e conselheiro do NIC.br,
lembrou que a internet móvel, hoje, adota um modelo que não é o ideal
para o consumidor: o da cobrança por pacotes. “Na internet fixa, a
cobrança acontece pela capacidade. Mas na móvel, onde não há parâmetros,
a cobrança por pacotes se disseminou. é a visão do operador da
Internet. A minha preocupação é que este modelo, agora, venha a ser
replicado para o serviço fixo”, completou.

Assista ao debate sobre o tema banda larga móvel através da CDTV, do portal Convergência Digital.


Fonte: http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=27513&sid=8

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *