Colaboração: estratégia para convencer os contrários às mudanças - Asplan Sistemas

Colaboração: estratégia para convencer os contrários às mudanças


Se funcionários resistirem às novas formas de trabalho, você deve levá-las diretamente aos clientes?

Estive em algumas reuniões com líderes de TI que estão tentando
convencer seus funcionários a trabalharem de novas formas, usando
ferramentas de colaboração. Em vez de falar, diretamente, com os vários
grupos da empresa sobre os benefícios de trabalhar com as novas formas
de colaboração, aproveitando novas tecnologias, alguns líderes de TI têm
preferido vender esses benefícios aos clientes da empresa, esperando
que a adoção venha de fora pra dentro.

Por exemplo, um líder de TI de um escritório de advocacia com que
trabalhamos quer que os advogados da empresa usem os sites SharePoint
extranet, que a equipe de TI criou para o compartilhamento de
documentos, tarefas e agenda de reuniões. Em face à resistência, o líder
da área de TI começou a trabalhar com a área de marketing para tornar o
uso desses sites parte padrão da forma como a empresa lida com
clientes. Ele espera que, com a chegada de novos usuários, eles exijam
que os advogados usem esses sites, porque é o prometido ao contratar os
serviços da empresa.

Assim como com qualquer outra estratégia de adoção, essa também tem seus prós e contras. Vamos considerar os dois lados.

Entre os benefícios, essa estratégia depende de pessoas de fora da
área de TI – ou de fora da empresa – que exijam mudanças comportamentais
e tecnológicas. E como essas pessoas são clientes, elas exercem mais
influência sobre os grupos do que a área interna de TI. Significa,
também, que os novos métodos e ferramentas de trabalho têm relevância
além da empresa. é a afirmação do “mundo real” à abordagem que você
quer.

Além disso, ao adotar as práticas de trabalho e ferramentas de
colaboração preferidas de seus clientes, você constrói confiança e
lealdade. Demonstra aos clientes que está disposto a explorar formas
novas e mais eficientes.

E pelo lado negativo, como conselheiro de TI, digo que você poderia
perder o respeito de seus funcionários se os ignorasse e estimulasse a
demanda por ferramentas ou métodos de trabalho com os quais eles
discordam fundamentalmente. Na pior das hipóteses, você vai gerar
conflito entre os funcionários da empresa e os clientes, porque os
consumidores – graças a você – irão exigir algo que os grupos internos
da empresa não têm a menor intenção de usar ou fazer.

E oferecer aos clientes algo desse gênero, de graça, especialmente
quando você não é o responsável pelas contas internas, é perigoso. Se
não houver custo extra por cliente ou nenhum tipo de mudança ou
compromisso de sua parte, você se encontra em uma situação injusta, que
poderá prejudicar demais seu relacionamento com os grupos internos.

Você já usou essa abordagem “de fora pra dentro” para encorajar
mudanças no comportamento dos usuários em sua empresa? O que deu certo?
Escreva para o endereço abaixo e me conte.

Michale Sampson é estrategista de colaboração e escritor. Você pode escrever para ele para o e-mail michael@michaelsampson.net

Fonte: http://informationweek.itweb.com.br/3572/colaboracao-estrategia-para-convencer-os-contrarios-as-mudancas/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *