Gradiente deve vencer Apple e ficar com nome iPhone no Brasil

A marca “iPhone” tem dois donos no Brasil: Apple e Gradiente. A
questão envolvendo o nome do aparelho mais famoso do mundo (e sua versão
tupiniquim) deve ser resolvida pelo Instituto Nacional de Propriedade
Idustrial (INPI). O posicionamento oficial do órgão deve ser revelado na
próxima terça-feira (12).

A companhia norte-americana criou o famoso smartphone e fez um pedido
em 2007 para fazer uso da marca por aqui. Enquanto isso, a brasileira
Gradiente pediu o registro da marca em março de 2000 e, além disso,
conta com provas de que já usava o termo “iphone” antes mesmo de Steve Jobs e sua turma terem lançado o primeiro modelo do revolucionário smartphone.

Em razão das datas diferentes, a Apple deve ter o seu pedido de marca
negado. Com isso, a Gradiente poderia reivindicar uso exclusivo do
termo. Recentemente, a companhia nacional lançou um smartphone Android
adotando o famoso nome.

Especialista em direito digital e sócio da Patricia Peck Pinheiro
Advogados, o advogado Diego Almeida acredita em uma decisão favorável à
empresa nacional:

— O sistema de registro de marcas no Brasil prestigia
quem primeiro faz o pedido, ou seja, quem pedir a marca antes tem
prioridade para o uso. é provável que o INPI se manifeste favoravelmente
à Gradiente pela anterioridade do seu pedido de registro da marca, ou
seja, por ter a Gradiente pedido o registro da marca antes da Apple, a
exclusividade de uso da marca será desta empresa e não da Apple.

Acordo amigável

Além da data de registro das marcas no Brasil, outra
possibilidade para a Apple é comprovar que já havia registrado o nome do
seu smartphone antes da Gradiente fora do País.

Em caso de vitória da Gradiente, a empresa terá
exclusividade no uso da marca iPhone e a Apple deverá precisar de uma
autorização para vender o telefone com este nome no Brasil.

O advogado explica que uma marca é patrimônio da empresa, podendo ser
comercializada ou licenciada. De acordo com Almeida, a questão deve ser
resolvida por meio de um acordo entre as empresa.

Nos Estados Unidos, por exemplo, a Apple também não foi a
primeira a adotar o nome “iPhone”, que era propriedade da Cisco. Após
um processo contra a empresa, as duas entraram em um acordo. O advogado
comenta que, no passado, a Gradiente já vendeu a marca “Playstation”
para a Sony.

Enquanto a novela passa por novos capítulos, o R7 resolveu por a prova os dois modelos do smartphone e comparar suas principais especificações e diferenciais.

Senhores, bem-vindos ao duelo dos iPhones!

Polêmica: Gradiente iphone X iPhone 5
Compare os dois modelos e diga quem merece ser o dono da marca “iphone” no Brasil
Smartphone linha G
Gradiente iphone
  iPhone 5 (Apple)
 
Android 2.3 Sistema operacional iOS 6
700 MHz Processador 1300 MHz
2 GB
(entrada para cartão de até 32 GB)
Memória 16 GB, 32 GB e 64 GB
3,7 polegadas Tela 4 polegadas
155 ppi Resolução
da tela
tela retina 326 ppi
130 gramas Peso 112 gramas
5 megapixel (traseira) e
0.3 megapixel (frontal)
Câmeras 8 megapixel (traseira) e
1,2 megapixel (frontal)
1 celular, 1 bateria, 1 cabo USB,
1 carregador, 1 fone de ouvido,
1 guia rápido de utilização
Conteúdo da embalagem 1 iPhone 5, 1 cabo lightning
conector da base para USB,
1 carregador USB,
1 fone de ouvido com
controle remoto e microfone
Dual Chip, Rádio integrado Extras Estrutura de alumínio reciclável, tela retina de alta definição, assistente virtual Siri
Disponível nas cores grafite e branco Cores Disponível nas cores preto e branco
R$ 599 Preço A partir de R$ 2.399
(desbloqueado e pré-pago de 16 GB) até
R$ 3.099 (desbloqueador e pré-pago de 64 GB)

Fonte: http://noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/noticias/decisao-do-inpi-deve-confirmar-que-marca-iphone-e-da-gradiente-no-brasil-20130205.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *