Para psicólogos, as redes sociais aceleram a fobia social - Asplan Sistemas

Para psicólogos, as redes sociais aceleram a fobia social


Uma pesquisa realizada pela Universidade de Maryland (Estados Unidos)
levantou uma questão interessante sobre as redes sociais. Será que o Facebook
e outros sites de relacionamento virtual podem acelerar o surgimento da
fobia social e a depressão? De acordo com Luciana Ruffo, do Núcleo de
Pesquisa de Psicologia em Informática da PUC/SP, quando uma pessoa já
tem pré-disposição ou apresenta sintomas de que não está bem, as redes
podem ser uma facilitadora.

O jornalista Gabriel Nunes (nome
fictício), que trabalha com mídias sociais e é diagnosticado com fobia
social há dez anos, compartilha da mesma opinião. Ele, que já sofreu na
pele o que é se esconder por trás das redes, diz que boa parte das vezes
que usa a internet ou conhece uma pessoa pela web é pra fugir de sua
realidade. Ele até acredita que seu destino profissional de trabalhar
com as redes sociais
foi uma escolha inconsciente. “Eu parei na comunicação bem de
paraquedas e nunca me imaginei trabalhando com isso. Mas, acredito que a
facilidade que tenho de mexer nas redes se deve ao fato de eu ter fobia
social, já que trabalho com um público que não me vê e não me conhece”,
explica.

Segundo Luciana, sites como Facebook, Orkut ou Twitter
são canais que trazem prazer e preenchem uma lacuna na vida da pessoa
como a falta de contato com outros seres humanos. Com isso, é possível
que a rede contribua para que o usuário permaneça mais tempo isolado e
faça deste ambiente virtual sua fuga. “Uma pessoa que tem dificuldade de
se relacionar vai encontrar ali pessoas para participar da vida e, às
vezes, este contato virtual é o suficiente”, comenta.

Um indivíduo com propensão à depressão e fobia social tende a usar as
redes de forma dependente da mesma forma como acontece com as drogas. A
pessoa faz daquela prática sua evasão dos problemas. No entanto, a
dependência à internet, de acordo com Luciana, não é identificada pela
quantidade de tempo gasto na rede, mas sim nas coisas que foram deixadas
de lado para que o usuário permanecesse conectado. “Aquele que deixa de
fazer coisas e estar entre amigos e família para permanecer conectado
também tem maus hábitos na rede”, afirma. “O problema não é a
ferramenta. é o uso que fazemos dela”, completa.

Por outro lado, as redes sociais
também podem auxiliar no tratamento da fobia social. A psicóloga conta
que, durante a atividade terapêutica, é necessário fazer com que o
paciente encontre suas habilidades e, para isso, é possível utilizar
ferramentas extras como, no caso, sites de relacionamento. Porém, para
que o resultado seja positivo, é necessário que a pessoa tome
consciência de que os relacionamentos que ela mantém na rede podem ser
transportados à vida real. “Até dá para usar a rede como recurso, mas
depende muito do caso. O paciente precisa gostar deste tipo de site e o
psicólogo precisa ter familiaridade com estas ferramentas”, diz.

No caso de Gabriel, a internet o ajudou a fazer amigos, porque, segundo
ele, era mais fácil conversar com alguém sem estar cara a cara. Um dos
principais motivos é que na internet você pode construir uma imagem da
maneira que quiser, criar uma personalidade que pode ou não ser a
verdadeira. Outro ponto positivo, de acordo com Gabriel, é que a web
pode ser um caminho para que as coisas aconteçam no mundo real. “Na rede
é possível esconder várias coisas como defeitos e traumas, justamente
por esta construção de personalidade. Mas, ao meu ver, a internet é mais
uma fuga do que uma solução para os problemas”, ressalta. “Você até
pode se apegar à internet pra fazer com que essa sensação se amenize e,
assim, conseguir ter um relacionamento com outras pessoas. Mas, sempre
vai rolar uma ponta de desconfiança, sabe?”, completou.

Sobre a fobia social

A fobia social também é conhecida como transtorno de ansiedade social,
transtorno ansioso social ou sociofobia. Trata-se de uma
síndrome ansiosa caracterizada por manifestações de alarme, tensão
nervosa e desconforto desencadeadas pela exposição à avaliação social. A
condição psiquiátrica, segundo a psicóloga Luciana, é bem difícil de
ser revertida, uma vez que se trata de uma pessoa com timidez extrema.

De
acordo com a psicóloga, uma pessoa diagnosticada com fobia social tem
vergonha de comer na frente dos outros, não conta dinheiro em público
com medo de errar, não fala com estranhos e mal consegue se comunicar
com conhecidos. Além disso, ela se sente muito mal em situações que
precisa conhecer pessoas novas.

Quer contribuir com a discussão? Você acredita que as redes sociais
aceleram a fobia social ou podem ajudar para que as pessoas transportem
seus relacionamentos virtuais para a vida real? Escreva nos comentários
abaixo. E se você sofre de fobia social, conte-nos quais experiências
na web te proporcionaram bons resultados.

Fonte: http://olhardigital.uol.com.br/jovem/redes_sociais/noticias/as-redes-sociais-aceleram-a-fobia-social

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *